5 de fevereiro de 2014

No silêncio dos olhos

Elizabeth Etienne/Corbis



Em que língua se diz, em que nação,
Em que outra humanidade se aprendeu
A palavra que ordene a confusão
Que neste remoinho se teceu?
Que murmúrio de vento, que dourados
Cantos de ave pousada em altos ramos
Dirão, em som, as coisas que, calados,
No silêncio dos olhos confessamos?


José Saramago
Os Poemas Possíveis
Lisboa, Caminho, 1999



5 comentários:

Mar Arável disse...

O nosso Saramago sempre

Adri Aleixo disse...

Lindeza, versos de mestre!

Beijo.

Secreta disse...

No silêncio do olhar tanto se diz...
Beijinho :)

UIFPW08 disse...

É difícil falar com os olhos, se eles não estão no amor com a vida ..
Besos
Morris

Duarte disse...

Que bem que se expressa um olhar silencioso... quando em harmonia.
Abraço-te