22 de março de 2010

Deserto


























Percorro todas as tardes um
quarteirão de paredes nuas.
Nuas e sujas de idade e ventos.

...

 
Caminho todas as tardes por estes
quarteirões desertos, é certo.
Mas nunca tenho certeza se estou
percorrendo o quarteirão deserto
Ou algum deserto em mim.



Manoel de Barros
Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo



27 comentários:

Nanda Assis disse...

que lindoo. e a vida na sua inteira monotonia nos envolvendo com vontades e saudades.

bjosss...

Marina disse...

Belíssimo! Difícil identificar sentimentos, quando estamos vazios. Ainda bem que isso sempre passa.

Beijos!

Lis. disse...

Sou deserto do meu próprio sonho.

Árido, por sobre areias desta noite fria,
sopra o vento por meu corpo tão gelado.
Inerte, sou a solidão de outra poesia,
não sinto o tempo, sou o amor estagnado.

O olhar perdido na fuga de horizontes,
minha boca seca, não ouves minha voz.
Escalo dunas à procura de outros montes,
sou apenas saudade do que fomos nós...

Alguma estrela que ilumine meu escuro,
no céu que escondeu o seu azul incerto,
é pouca luz a brilhar no infinito impuro
e meu sonho é a extensão desse deserto.

Ida Satte Alam Senna.


Haverá sempre esperança Inês
da completude que nos falta...

Carinho.

Dauri Batisti disse...

Há uma coisa em Manoel de Barros que deixa a gente feliz ao ler seus poemas.

Beijo.

Rouxinol disse...

É, as vezes há mesmo muito desertos a passar, a descobrir...dentro e fora de nós...
Lindo poema!
Um grande beijo Inês!
Uma ótima segunda-feira e uma linda semana!!

Secreta disse...

Por vezes o deserto está em nós mesmos, sem dúvida...
Beijito.

UIFPW08 disse...

Se non vedo che polvere, non posso sognarti e non avrò deserto per le mani per toccarti

Hod disse...

Olá Inês!
Sentir esse vazio e traduzir em um verso é tudo.

Legal vc contar que Andou de passagem por Porto mAlegre, Já Gramado e Canela são duas jóias Riograndenses.
Sabe que apesar das mazelas que assolam as cidades metropolitanas, Porto Alegre ainda possui muito charme e sedução. Amo muito tudo isso!!

Beijo pra vc. querida Inês,

Hod.

A.S. disse...

Inês...

Em todos os desertos existe um oásis! Encontrarás o teu num verde amanhecer, pleno de frescura e luz!

BeijOOO
AL

betencourt disse...

Como sempre excelente selecção

Adoro lê-la

Beijo

Shakti disse...

Gostei imenso...não conhecia Manoel de Barros ...gostei mesmo!!!

bj

Liz disse...

Belíssimo e carregado de verdades interrogativas...

Há em nós desertos, oásis, jardins, florestas sinistras, florestas de intensas cores e brilhos mágicos, mares, RIOS, lagos, ilhas, ruas de luz, ruas escuras...
Tudo depende do trajeto que percorremos em nós, 'do que nós alimentamos'.
Somos todo um cosmo...
E nada somos...
Ah! Se soubesse permanecer no caminho do meio!!!

Abraço cara Inês

Liz

Caroline. disse...

Que lindo Inês, como sempre me emociono lendo os trechos que vc coloca aqui. Lindos *-*

Beijão =*

sonho disse...

Quantas vezes sentimos que tudo a nossa volta está deserto...quando o maior vazio está dentro de nós...
Beijo d'anjo

Magna Santos disse...

Às vezes mesmo o que temos dentro se reflete no que se tem fora, ao menos, no que conseguimos enxergar. Os olhos são, de fato, um espelho da alma...através deles não apenas ela se mostra, mas vê com suas lentes singulares.
Beijos.
E, olha, Inês, tuas palavras são sementes ricas que fertilizam qualquer terreno.
Deus te abençoe.
Magna

Lis. disse...

É Inês...

Penso que talvez soubeste sobre o texto do palhaço, e assim pulou-o no intento de ir mais adiante...

Certo?

neli araujo disse...

Oi, Inês!

Que lindo este poema de Manoel de Barros!

Quem já não teve os seus desertos, não é mesmo?

Eu tenho um poema antigo sobre deserto...acho que vou colocar novamente no blog...

Mas, há sempre a esperança de encontrar o "tal" do oasis, minha linda!E esta, ninguém nos tira!

Boa semana para ti!
beijinhos,
Neli

Pelos caminhos da vida. disse...

Não conhecia, gostei mesmo e, gostei ainda mais qdo fui ver meus comentários e vi que vc estava entre eles, obrigada amiga.

beijooo.

Dri Viaro disse...

Lindo..lindo!!

bjs

VANUZA PANTALEÃO disse...

Tu sumiste de nós, Inês!
Tudo ficou um deserto...
Te vi no Mixtu e ri do teu comentário...
Beijos!!!

Juliana Mendes disse...

lindoooooo demais...
me apaixonei..
acho que nós passamos por isso sempre que estamos sós..
e nem percebemos...
que é só pq estamos sozinhos.. com um vazio enorme, e cheio de sede por outro...
:S

Dil Santos disse...

Inês, minha querida, como está?
Menina, belíssima escolha como sempre.
Um poema que indico, que achei lindo, reflete muito meu atual momento, chama-se Tomara, de Vinícius de Moraes, é lindo, quando tiver oportunidade leia.
Então menina, eu estava sem meu pc, peguei ele ontem da assitência, rsrs
Mas já voltei com tudo, rsrsrs
Bjo
:)

JADY*ALVES disse...

Desencontro de sentimentos...
Belos versos Inês, amei a post.
Parabéns e beijos da Jady pra tí

Baby disse...

"percorrendo o quarteirão deserto
Ou algum deserto em mim",
como estas palavras se encaixam bem no nosso sentir, mas acredita, não há que ter medo de fazer essa viagem, a dor purifica, não é o que dizem?
Um beijo, linda Inês.

a magia da noite disse...

às vezes o nosso deserto confunde-se com o deserto de tantos outros, vazios imensos que nos absorvem.

Do Jeito Que Eu Sou disse...

o deserto em mim me fez sumir por mais um tanto...mas a estiagem parece ter passado, agora é chuva sobre para encher nossos rios. e os quarteiroes desertos agora se ver convidado a entrar na dança junto a festa que promovemos com os que amamos rua afora....é hora do frevo de rua, sob a chuva, paredes antes nuas agora se vestem de cores que traduzem a alegria de um novo periodo.
bjus meus Ines

Thiago Ya'agob disse...

Inês...

eu gostaria de te dar um abraço em presença física, como ainda não é possível, deixo minhas singelas letras envolvê-la em presença de força.

O que dizer desse poema?
Eu o amei logo quando li. Tornou-se pedaço de mim. E agradeço essa oferta que fizestes aqui. Agradeço, sim.

Tenha uma linda semana, minha amiga.

Paz, sempre.