13 de junho de 2008

Para além do olhar














Que esta minha paz e este meu amado silêncio
Não iludam a ninguém
Não é a paz de uma cidade bombardeada e deserta
Nem tampouco a paz compulsória dos cemitérios
Acho-me relativamente feliz
Porque nada de exterior me acontece...
Mas,
Em mim, na minha alma,
Pressinto que vou ter um terremoto!


Mário Quintana
Confissão.
Imagem: Brett Weston/Corbis

4 comentários:

firmina12 disse...

é engraçado, tenhom um livro por publicar, que se chama : "Dois Sangues"

Diva disse...

"Pressinto que vou ter um terremoto!" Adorei.
Bjs meus

TCHI de Tchivinguiro disse...

É na alma que tudo acontece.

Dois Rios disse...

Firmina12
Já temos algo em comum. O "dois" é (par)ceria. Aqui vamos!
----
Diva
A expressão é mesmo fantástica! O terremoto interno é avassalador. Desconstrói tudo o que já foi.
Beijos,
----
Tchi de Tchivinguiro
... e é na alma que tudo (des)acontece.
Beijo,