9 de junho de 2008

O que o outro lado esconde





Eu ia muito a ópera no São Carlos, e ia sempre lá para a parte de cima onde havia uma coroa. Quer dizer, o camarote real começava embaixo e ia até lá em cima e fechava com um coroa dourada enorme. Coroa essa que vista do lado da platéia e do lado dos camarotes era uma coroa magnífica. Do lado em que estávamos não era, pois ela só estava feita entre as quartas partes, e dentro era oca, e tinha teias de aranha, e tinha pó. Isso foi uma lição que eu nunca esqueci: para conhecer as coisas há que dar-lhes a volta toda.


Janela da Alma 
(documentário brasileiro de João Jardim e Walter Carvalho)

Imagem: Takao Onozato/amanaimages/Corbis

4 comentários:

Sayô disse...

Olá...retribuindo a visita...rsrs
Fabricio, 'amante' da poesia de Manoel de Barros! Tb sou!
Manoel de Barros com sua poesia
adentrou na minha vida, para mostrar o qto que a lógica, a razão, a ciência, atrapalha a poesia, tira seu cheiro, sua beleza, sua vida!
Manoel diz assim:

"A ciência pode classificar e nomear os órgãos de um sabiá
mas não pode medir seus encanto.
A ciência não pode calcular quantos cavalos de força
existem
nos encantos de um sabiá.
Quem acumula muita informação perde o condão de
adivinhar: divinare.
Os sabiás divinam."

Lindo demais,ne?rs.
Eu acho mto belo!

E ele diz mais: "Poesia não é para compreender,mas para incorporar..."


Um abraço cheio da poesia de Manoel!

Dois Rios disse...

Obrigada, Sayô.
Sou meio suspeita de falar do Manoel de Barros porque as palavras dele têm o dom de me deixar em estado de encantamento. Aliás, não conhecia a poesia que vc deixou aqui e desde já agradeço o carinho.
Volte sempre!
Bjs,

Márcia(clarinha) disse...

E muitas vezes achamos que conhecemos todos os cantos da "coroa" até que uma teia nos arrepia e surpreende...
dias lindos, claros e alegres
beijos

Dois Rios disse...

Bem-vinda, Márcia!
Vc tem razão. O lado (des)conhecido sempre surpreende e assusta.
Bjs,